Informe aqui algum erro nesta página

Clique em texto azul para consultar apenas o texto original; clique em texto cinza para consultar apenas o texto anotado;
Clique em texto verde para consultar apenas o texto atualizado; clique em texto amarelo para consultar apenas o texto índice.


Exibindo Texto Original

DECRETO Nº 44.051, DE 18 DE JANEIRO DE 2017.

 

Regulamenta a Lei nº 15.972, de 23 de dezembro de 2016, que institui as gratificações de presidente e membros de comissões de licitação, no âmbito da Administração Direta, dos fundos, das fundações, das autarquias e das empresas públicas e sociedades de economia mista dependentes do Tesouro Estadual.

 

O GOVERNADOR DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelos incisos II e IV art. 37 da Constituição Estadual, tendo em vista o disposto na Lei nº 15.972, de 23 de dezembro de 2016,

 

DECRETA:

 

Art. 1º A instituição, renovação, alteração, enquadramento e revisão do enquadramento das comissões de licitação obedecerão às normas estabelecidas neste Decreto e dependerão de prévia autorização da Secretaria de Administração, mediante solicitação do titular do órgão ou entidade interessada.

 

Art. 2º Ficam estabelecidos os parâmetros abaixo relacionados pra fins de enquadramento nos níveis de que trata a Lei nº 15.972, de 23 de dezembro de 2016:

 

I - Nível 1: mínimo de 24 (vinte e quatro) processos homologados no exercício anterior, cujo somatório dos valores estimados seja de no mínimo R$ 12.000.000,00 (doze milhões de reais);

 

II - Nível 2: mínimo de 18 (dezoito) processos homologados no exercício anterior, cujo somatório dos valores estimados seja de no mínimo R$ 7.000.000,00 (sete milhões de reais);

 

III - Nível 3: mínimo de 12 (doze) processos homologados no exercício anterior, cujo somatório dos valores estimados seja de no mínimo R$ 3.000.000,00 (três milhões de reais), e

 

IV - Nível 4: mínimo de 6 (seis) processos homologados no exercício anterior, cujo somatório dos valores estimados seja de no mínimo R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais).

 

§ 1º A quantidade máxima de comissões de licitação e seus enquadramentos, serão definidos pela totalidade de processos homologados no exercício anterior e respectivos valores estimados, aferidos no âmbito de cada órgão ou entidade.

 

§ 2º Os órgãos ou entidades deverão encaminhar à SAD a solicitação de enquadramento das comissões de licitação já constituídas ou alteração da quantidade de comissões para adequação em determinado nível, observando os parâmetros acima estabelecidos.

 

Art. 3º Os órgãos da Administração Direta, mediante solicitação, poderão ter autorização para a constituição de uma comissão de licitação, excepcionalmente enquadrada no Nível 4, quando a totalidade de processos homologados no exercício anterior e respectivos valores estimados aferidos no âmbito do órgão forem insuficientes para o enquadramento de ao menos uma comissão de licitação em algum dos níveis de que trata o art. 2º.

 

Art. 4º A composição das comissões de licitação observará a seguinte disposição:

 

I - Níveis 1 e 2: máximo de 05 (cinco) integrantes, incluindo o presidente;

 

II - Nível 3: máximo de 04 (quatro) integrantes, incluindo o presidente; e

 

III - Nível 4: máximo de 03 (três) integrantes, incluindo o presidente.

 

Art. 5º A solicitação de instituição de comissão especial, subscrita pelo titular do órgão ou entidades, ou autoridade com delegação para tanto, deverá conter justificativa de criação, prazo estimado de duração e sugestão fundamentada de enquadramento, para que seja analisada pela Secretaria de Administração.

 

§ 1º Após o fim do prazo de vigência, as comissões especiais serão consideradas extintas.

 

§ 2º Integrantes de comissões especiais extintas terão o pagamento das respectivas gratificações interrompido a partir do mês subsequente ao fim do seu prazo de vigência.

 

§ 3º Para garantir a conclusão dos processos, poderá ser realizado pedido de prorrogação de vigência, nos mesmos moldes do inicial.

 

Art. 6º Os titulares dos órgãos e entidades de que trata o art. 1º da Lei nº 15.972, de 2016, ou autoridades com delegação para tanto, devem providenciar, anualmente, a revisão do enquadramento e da composição de todas as comissões de licitação a eles vinculadas.

 

§ 1º A investidura dos membros das comissões permanentes não excederá a 1 (um) ano, vedada a recondução da totalidade de seus membros para a mesma comissão no período subsequente;

 

§ 2º A revisão do enquadramento das comissões permanentes seguirá calendário definido pela Secretaria de Administração.

 

Art. 7º O enquadramento e a composição das comissões de licitação serão formalizados por portaria publicada pela SAD, que conterá o prazo de vigência da sua composição e do seu enquadramento.

 

§ 1º O fim da vigência do enquadramento ou da composição da comissão, enseja a suspensão da sua autorização de funcionamento.

 

§ 2º A suspensão da autorização de funcionamento implicará na interrupção do pagamento das respectivas gratificações a partir do mês subsequente ao da suspensão.

 

§ 3º Caberá aos órgãos e entidades a que estão vinculadas as comissões suspensas efetivar a interrupção dos respectivos pagamentos.

 

§ 4º Comissões de licitação com a autorização suspensa não poderão ser renovadas, alteradas ou reenquadradas.

 

Art. 8º As comissões de licitação constituídas antes da vigência da Lei nº 15.972, de 2016, serão enquadradas seguindo o mesmo calendário de que trata o §2º do art. 6º.

 

Art. 9º A Secretaria de Administração poderá emitir normas complementares necessárias à operacionalização do disposto neste Decreto.

 

Art. 10. Excepcionalmente, nos meses de janeiro a março de 2017, os presidentes e membros de comissões de licitação ficam enquadrados, respectivamente, da seguinte forma:

 

I - nos Níveis 3 e 4 da Lei nº 15.972, de 2016, os presidentes das comissões já existentes enquadradas nos Níveis 1 e 2 da Lei nº 13.352, de 13 de dezembro de 2007, e

 

II - nos Níveis 2 e 3 da Lei nº 15.972, de 2016, os membros das comissões já existentes enquadradas nos Níveis 1 e 2 da Lei nº 13.352, de 2007.

 

Art. 11. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos à 1º de janeiro de 2017.

 

Art. 12. Revoga-se o Decreto nº 31.391, de 11 de fevereiro de 2008.

 

Palácio do Campo das Princesas, Recife, 18 de janeiro do ano de 2017, 200º da Revolução Republicana Constitucionalista e 195º da Independência do Brasil.

 

PAULO HENRIQUE SARAIVA CÂMARA

Governador do Estado

 

MILTON COELHO DA SILVA NETO

ANTÔNIO CARLOS DOS SANTOS FIGUEIRA

MARCELO ANDRADE BEZERRA BARROS

MÁRCIO STEFANNI MONTEIRO MORAIS

ANTÔNIO CÉSAR CAÚLA REIS

Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado.


Rua da União, 439, Boa Vista, Recife, Pernambuco, Brasil, CEP: 50050-909
PABX:(081) 3183-2211
E-mail: ouvidoria@alepe.pe.gov.br
CNPJ: 11.426.103/0001-34 - Inscrição Estadual: Isenta